segunda-feira, 8 de Abril de 2013

Gritar, ameaçar e humilhar uma criança são atitudes tão nocivas quanto bater....!



Educar não é uma tarefa nada fácil ...Os filhos não trazem livro de instruções.... Ouve-se muito agora falar nos malefícios do bater na criança....Sim, de facto é muito prejudicial para um crescimento saudável mas, não é só o bater que é prejudicial e traumático. As alternativas que alguns pais vão arranjando como formas de educar, como o gritar, castigar, ofender, humilhar são tão ou mais nocivos do que uma bela “palmada pedagógica” (bem diferente do esbofetear)!
Quando gritamos, ofendemos, dizemos o que devíamos e o que não devíamos, além de colaborar para que as crianças cresçam com medo e com uma baixa autoestima, acabamos também por afastar-nos delas.
O gritar, ao contrario do que se possa pensar, não revela autoridade nem provoca na criança respeito...provoca antes medo e revela um adulto descontrolado...ou seja...a criança fica insegura porque não sente o seu meio como equilibrado, seguro mas sim como algo em completo descontrolo...Onde deveria ser o seu porto de abrigo, e o seu local de busca de soluções para o seu próprio descontrolo, acaba por transformar-se num local onde sentem pais desesperados para se fazerem obedecer.
A violência verbal é tão agressiva quanto a física, principalmente se os gritos tiverem uma conotação de ameaça: "Qualquer dia vou-me embora e não volto mais!", "Ainda vou ter um ataque por causa de ti". Diante de frases como estas, as crianças sentem-se responsáveis por coisas que não são.
Existe ainda uma questão a não esquecer...o rotular tem um efeito devastador para a autoestima da criança. Os pais são a figura de referência para os filhos...quando um pai ou uma mãe o chama de preguiçoso, vândalo ou inútil, por exemplo, eles acreditam...acreditam e integram como sendo uma verdade absoluta!
Até os sete anos, a personalidade está em formação. Qualquer termo pejorativo pode marcar para sempre. Tente corrigir ou apontar o comportamento, a atitude, nunca a criança como pessoa. Exemplos? É diferente quando dizemos “ Estou triste com o teu comportamento...o teu comportamento foi muito incorreto e não gostei dele! Do que quando dizemos “ estou triste e zangada contigo...és um menino mau”

Para as crianças, a opinião dos pais a respeito de suas atitudes, da sua performance ou mesmo de seus atributos de beleza e inteligência são muito importantes na construção de uma personalidade. Ao perceberem que os pais não a admiram, elas tendem a depreciar-se, o que pode culminar em casos de depressão, agressividade e fuga do convívio familiar.
Para além disso, como todas as crianças costumam copiar os pais, consequentemente, vão comunicar com os outros, seus colegas, seus professores e mesmo familiares, dessa forma!

Fátima Poucochinho

Sem comentários:

Enviar um comentário